Contos

Gesto largo

Fez um gesto largo com o braço e disse para o menino que segurava com a outra mão: Essa montanha já foi uma grande massa pastosa e quente, quentíssima, uma brasa escura rolando, por ali! – apontou. Veja aquelas dobras: se formaram quando ela foi arrefecendo, ficando mais densa, até parar. E está aí há milhões de anos, do mesmo jeito. O menino não entendia algumas palavras que o homem dizia, mas sabia do sentido daquilo que ele falava, de um tempo muito antigo, de coisas fantásticas como uma montanha quente e móvel. Desceu com o menino para a areia, como as vezes fazia, e foi andando até as pedras cobertas de limo e algas mais adiante. Nesse ponto da baía o mar era como uma lagoa e ele pôde virar algumas pedras grandes, mostrar os bichos embaixo, espantados com a luz do sol, procurando outro abrigo na água clara e rasa. Uma estrela do mar de nove patas compridas. Gaivotas e urubus no céu bem alto. Canto do Rio, Niterói, 1940.