Blog da SBI

Participar sem antecipar

Participar sem antecipar

Nelson Vaz

24 de novembro de 2012

              Como prever o imprevisível? Re-conhecer o des-conhecido? Como antecipar com quais materiais estranhos (antígenos) invadirão o corpo? Como surgem os processos imunológicos de defesa na ontogênese e qual sua origem na filogênese? Estas são perguntas básicas na imunologia quando a atividade imunológica é entendida como um processo antecipatório. A solução aceita hoje em dia é dita “seletiva”. Todo processo “seletivo” implica duas etapas: na primeira, é gerada, ao acaso, uma grande coleção de variantes; na segunda, estes variantes competem entre si para a seleção do mais apto a desempenhar uma dada tarefa, ou função. A geração dos variantes precisa ocorrer ao acaso, caso contrário, o processo será devido a outro mecanismo que não a seleção por competição.

Uma alternativa radical para abandonar com as ideias de acaso e competição na geração de processos biológicos, é explicá-los como processos epigenéticos[1], não antecipatórios

. Na epigênese, tudo de passa momento-a-momento, e o presente não contém o futuro, assim como o passado não continha o presente. Seria lícito afirmar que toda a sua vida pregressa se deu para que você, leitor, pudesse agora ler este texto? Claramente, não. Para afirmar tal coisa, precisaria adotar minha posição privilegiada no presente para reordenar o passado, de maneira que ele conduza até aqui. Mas, poderíamos igualmente supor muitas outras sequências de acontecimentos

Para abandonar com as ideias de acaso e competição na geração da atividade imunológica temos que deixar de vê-la como antecipatória, passar a vê-la como um processo epigenético, como parte da construção e manutenção do organismo, que é um processo epigenético mais amplo. Em outras palavras, o que vemos como um mecanismo de defesa, podemos ver como um resultado de processos de construção e manutenção do organismo. Ou seja, ao invocarmos “mecanismo de defesa” estamos confundindo “mecanismos especiais”, devotados à defesa do corpo, como resultados de processos mais gerais de construção e manutenção do organismo.

A fagocitose, por exemplo, considerada um mecanismo essencial na defesa imunológica, parte da chamada “imunidade inata”, na realidade é um processo essencial de construção e manutenção do organismo, sem o qual, por exemplo, o desenvolvimento embrionário não seria possível. A fagocitose de células apoptóticas é um outro exemplo importante, um processo que é tão eficiente que são raras as imagens de células apoptóticas em tecidos normais. Além de “defender” o corpo, a fagocitose é essencial à construção e manutenção do organismo (Franc et al., 1999).

Não podemos ainda dizer o mesmo em relação a linfócitos, apontar com precisão como os linfócitos estão envolvidos na construção e manutenção do organismo. Porque animais manipulados em seu genoma para impedir a diferenciação de linfócitos (animais Rag-/-, por exemplo), podem viver vidas aparentemente normais, e se reproduzir, desde que mantidos em ambientes SPF (specific pathogen free). Há evidências de que estes animais não são exatamente “normais”, mas a ideia de que eles precisam ser mantidos longe de “patógenos específicos” (como a Samonella typhimurium ou o vírus da ectromelia), pode ser usado como um argumento de que a atividade imunológica existe para defender o corpo contra infecções.

Que animais sem linfócitos não sobrevivam em ambientes convencionais é, na verdade, algo curioso porque, em ambientes SPF, estes animais convivem com um “microbioma comensal” que contém uma imensa variedade de micróbios, ditos “não-patogênicos”. Isto nos leva a entender os linfócitos como elos de conexão entre a “imunidade inata” e a “defesa” contra “patógenos específicos”, porque os processos da “imunidade inata” bastam para assegurar a sobrevivência de animais sem linfócitos em ambientes SPF. É curioso, portanto, pensar sobre o que caracteriza as relações com os “patógenos específicos” e por que os linfócitos são elementos essenciais na defesa contra os mesmos.

Mas, para voltar, às colocações iniciais, como abandonar as ideias de acaso e competição em favor de entender a atividade imunológica como um processo epigenético? Nossos principais argumentos contra uma origem aleatória é apontar regularidades e padrões na atividade imunológica, buscar a definição de mecanismos conservadores na geração e ativação de linfócitos. Dito em outras palavras, buscar evidencias de que se trata de um processo histórico-sistêmico, isto é, um processo epigenético no qual cada instante torna possível e conduz ao instante seguinte. Surge nesta visão um grande vulto de contornos ainda indefinidos que é o próprio organismo onde a atividade imunológica se realiza, não mais simplesmente como “o espaço” onde esta atividade se realiza, mas sim como o entrelaçamento de muitas outras atividades conservadoras que são parte da construção e manutenção do organismo (Vaz et al., 2011).

Como elemento essencial deste processo histórico-sistêmico estão as conexões entre os próprios linfócitos, apontadas no esforço pioneiro de Niels Jerne em sua teria da Rede Idiotípica (Jerne, 1974), mas estão também outras providências para definir uma organização, isto é, o conjunto de relações invariantes entre os componentes que conferem ao sistema sua identidade de classe (Vaz & Varela, 1978; Maturana, 2002). Outra providência indispensável, porém, é o reconhecimento da participação do imunologista como um observador que opera na linguagem humana na definição dos fenômenos imunológicos . A especificidade das observações imunológicas depende mais do que fazem os imunologistas do que fazem os linfócitos (Vaz & Carvalho, 2009; Vaz, 2011a, b, c; Vaz et al., 2011). Na realidade, isto estava implícito no que Jerne afirmava em sua primeira teoria (Jerne, 1955) – talvez a melhor teoria imunológica até o presente – na qual ele propunha que a atividade imunológica: (a) é espontânea (“natural”); e, (b) envolve sempre uma enorme multiplicidade de elementos (anticorpos & linfócitos). A imunologia atual já se rendeu às evidências contrárias à especificidade linfocitária, em um sentido estrito (Eisen, 2001; Wuchpfernnig et al., 2007), mas ainda está longe se atribuir importância a processos conservadores que organizam a multiplicidade de interações entre linfócitos e imunoglobulinas.

Bibliografia

EISEN, H. N. 2001. Specificity and degeneracy in antigen recognition: yin and yang in the immune system. Annu Rev Immunol, 19, 1-21.

FRANC, N. C., WHITE, K., ALAN, R. & EZEKOWITZ, B. 1999. Phagocytosis and development: back to the future. Current Opinion in Immunology, 11, 47-52.

JERNE, N. K. 1955. The natural selection theory of antibody formation.Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A., 41, 849-857.

JERNE, N. K. 1974. Towards a network theory of the immune system. Ann. Immunol., 125C, 373-392.

MATURANA, H. 2002. Autopoiesis, structural coupling and cognition: a history of these and other notions in the biology of cognition. Cybernetics & Human Knowing, 9, 5-34.

MATURANA, H. R. 2008. Anticipation and Self-consciousness.Are these Functions of the Brain? Constructivist Foyndations, 4 18-20.

VAZ, N. M. 2011a. The specificity of immunological observations.Constructivist Foundations, 6, 334-351.

VAZ, N. M. 2011b. Observing Immunologists.Neurociências, 7, 140-146.

VAZ, N. M. 2011c. Francisco Varela and the Immunological Self.Systems Research and Behavioral Science, 28, 696–703.

VAZ , N. M., MPODOZIS, J. M., BOTELHO, J. F. & RAMOS, G. C. 2011. Onde está o organismo? – Derivas e outras histórias na Biologia e na Imunologia, Florianópolis, editora-UFSC.

VAZ, N. M. & CARVALHO, C. R. 2009. Imunologia, intencionalidade e acaso.Informática na educação: teoria & prática, 12, 195-200.

WUCHERPFENNIG, K. W., ALLEN, P. M., CELADA, F., COHEN, I. R., DE BOER, R. J., CHRISTOPHER GARCIA, K., GOLDSTEIN, B., GREENSPAN, R., HAFLER, D., HODGKIN, P., HUSEBY, E. B., KRAKAUER, D. C., NEMAZEEM, D., PERELSON, A. S., PINILLA, C., STRONG, R. K. & SERCARZ, E. E. 2007. Polyspecificity of T cell and B cell receptor recognition. Semin Immunol, 19, 216-224.

IVANOV, M., KACEVSKA, M. & INGELMAN-SUNDBERG, M. 2012. Epigenomics and interindividual differences in drug response. Clin Pharmacol Ther, 92, 727-36.

SANDOVAL, J. & ESTELLER, M. 2012. Cancer epigenomics: beyond genomics. Curr Opin Genet Dev, 22, 50-5.

[1] Importante: não confundir epigênese com “epigenômica” que se transformou em um estudo de infliências genômicas não dependents diretamente da sequência de nucleotídeos no DNA ((Ivanov et al., 2012; Sandolval & Esteller, 2012)