Introdução

 

Tenho o prazer de colocar no ar o site “IMUNONTOLOGIA” que reúne a confluência de meu trabalho em imunologia experimental e as repercussões teóricas que emergiram do mesmo. Não tenho predileção por questões teóricas, mas elas surgiram  de resultados experimentais que nos surpreenderam na época, continuam a nos surpreender agora, e não têm explicação satisfatória na teoria imunológica dominante, que é uma teoria mais sobre linfócitos que sobre o organismo.

 

Ver video completo “Imunologia da Paz” (1 hora) em Entrevistas.

O tema que nos surpreendeu foi mais tarde rotulado de “tolerância oral”, ou, mais amplamente, “imunologia das mucosas”, mas estes são termos ruins. Creio que o que se passa é mais uma “assimilação” de materiais externos pela fisiologia conservadora da atividade imunológica. Nossas primeiras surpresas com estes experimentos se deram ao fim dos anos 1970, em Denver, onde eu chefiava um pequeno laboratório de imunologia e onde, fortuitamente, conheci Francisco Varela, sem saber que, na época, ele já era um famoso neurocientista por suas ideias sobre o cérebro e os fenômenos cognitivos. Este foi meu primeiro encontro com “o conhecer” que, desde então, passou a fazer parte de minhas preocupações com a imunologia.

O “assimilar”, que trata da parte experimental de nosso trabalho e o “conhecer” que se refere principalmente à Biologia da Cognição e da Linguagem, originada de ideias de Humberto Maturana,  são as duas vertentes principais do que coloquei no site <imunontologia.com.br>

O site está sendo ainda organizado e tem várias seções incompletas, mas contém um grande número de textos, com destaque para aqueles que traduzi e que podem ser úteis a estudantes brasileiros. Há erros de digitação nesta apresentação inicial, que não canso de encontrar, mas dar um tratamento adequado aos mesmos demanda um tempo de que não disponho.

Meus agradecimentos a Sennem Antunes que me ampara no lidar com o Macintosh, e em especial a paciência e delicadeza de Adriano Ávila Alamy que construiu o site, com o auxílio de Ramon Nogueira, em Belo Horizonte.